Monthly Archives: Março 2009

Não há peor cousa do que um parvo

Padrão

cipolla1

Era umha frase que repetia a miúdo minha avoa.

Hoje dei com este resumo do livro do escritor italiano Carlo Cipolla que vém dizer o mesmo, mas argumentado e analisado de jeito formal.

Deixo este texto para a refleixão:


Estupidez humana
RESUMO DO LIVRO “Allegro ma non troppo” —
Carlo M. Cipolla

“A minha convicção, apoiada por anos de observação e experimentação, é que os homens não são iguais; há alguns que são estúpidos e outros que não o são.”

Carlo Cipolla

As leis fundamentais da estupidez humana

1. A Primeira Lei Básica: “sempre e inevitavelmente todos nós subestimamos o número de indivíduos estúpidos em circulação em todo o mundo.”

2. A Segunda Lei Básica: “A probabilidade de que uma determinada pessoa é estúpida é independente de qualquer outra característica da mesma pessoa.”

3. A Terceira Lei Básica: “Uma pessoa estúpida é uma pessoa que causa dano a outra pessoa ou grupo, sem obter, ao mesmo tempo, uma vantagem para si próprio, ou mesmo recebendo um prejuízo.”

4. A Quarta Lei Básica: “As pessoas que não são estúpidas sempre subestimam o potencial de prejudicar das pessoas estúpidas. O não estúpido, especialmente , esquece constantemente que em qualquer momento e lugar e em qualquer circunstância tratar e / ou se associar com pessoas estúpidas manifesta-se inevitavelmente como um erro muito caro. “

5. A Quinta Lei Básica: “A pessoa estúpida é o mais perigoso tipo de pessoa que existe. O estúpido é mais perigoso do que o malvado.”

PRINCIPAIS CATEGORIAS DE PESSOAS

Todos os seres humanos estão incluídas em uma dessas quatro categorias básicas: os incautos, o inteligente, o malvado e estúpido.

Os desavisados ou incautos: Podemos lembrar vezes quando uma pessoa realiza uma acção (a chave é que é ele que tem a iniciativa), o que resultou em uma perda para ele e um ganho para nós: Acabamos de entrar em contato com um desavisado.

Os Inteligentes: Também vêm à mente quando um indivíduo em ocasiões realiza uma acção da que ambos dous tiramos proveito: era uma pessoa inteligente.

Uma pessoa inteligente poderá se comportar como uma suave brisa, como pode também, por vezes ter uma má atitude. Mas desde que a pessoa é inteligente basicamente, a maior parte de suas ações terão a característica da inteligência.

Em certas circunstâncias uma pessoa age com inteligência e em outras circunstâncias, a mesma pessoa pode se comportar como uma desavisada. A única grande exceção à regra são as pessoas estúpidas que normalmente apresentam uma elevada tendência para a total coerência, em qualquer campo

Os maus ou malvados: Nós todos recordamos momentos em que, infelizmente, foram associados a um indivíduo que conseguiu ganhar fazendo-nos um prejuízo a nós: é um malvado.

Existem vários tipos de malvado. Há um malvado que é perfeito em suas ações, que causaram perdas equivalentes a seus lucros. Outro tipo de malvado são os que ganham mais elevados lucros para si próprios que as perdas em outros. Eles são desonestos e tem um elevado grau de inteligência. Mas, a maior parte dos malvados, são indivíduos cujas ações proporcionam vantagens mais reduzidas do que as perdas para os outros. Esta pessoa será colocada muito perto do limite de pura estupidez.

O Estúpido: A nossa vida é salferida de momentos em que sofremos perdas de dinheiro, tempo, energia, apetite, tranquilidade e bom humor por causa do absurdo das ações questionáveis de algumha criatura que, durante os momentos mais impensáveis e inconvenientes, da-lhe por nos causar danos, frustrações e dificuldades, sendo que ela não vai ganhar nada com as suas acções.

Ninguém sabe, entende ou pode explicar porque é que esta absurda criatura faz o que ele faz. Na realidade, não há explicação, ou melhor, existe apenas uma explicação: a pessoa é estúpida.

A maioria das pessoas estúpidas são fundamentalmente e firmemente estúpidas. Em outras palavras, insistem com perseveráncia em causar danos ou prejuízos para outras pessoas sem obter qualquer lucro para si mesmos, seja positivo ou negativo. Mas há mais. Há pessoas que com as suas acções inacreditáveis não só causam danos a outros, mas também eles próprios. Essas pessoas pertencem ao gênero de superestúpidos.

O PODER DA estupidez

Como acontece com todas as criaturas humanas, também os estúpidos afetam outras pessoas com muito diferente intensidade. Alguns estúpidos, normalmente causam dano limitado, mas há outros que chegam a causar danos terríveis, não apenas a uma ou duas pessoas, mas comunidades e sociedades inteiras. A capacidade de fazer dano dumha pessoa estúpida depende de dous fatores principais: o fator genético e do grau de poder ou autoridade que tem na sociedade.

Temos ainda de explicar e compreender o que basicamente torna perigosa a umha pessoa estúpida, por outras palavras, aquilo que é o poder da estupidez.

Essencialmente, a estupidez é perigosa, porque as pessoas razoáveis acham difícil de imaginar e compreender o comportamento estúpido.

Uma pessoa inteligente pode entender a lógica do mal. As acções de um malvado, ainda tem um modelo da racionalidade: racionalidade perversa se quiser, mas no final racionalidade. O malvado quer adicionar um “mais” em sua conta. Como não é o suficiente inteligente para imaginar maneiras de obter um “mais” para si próprio, ao mesmo tempo que procura um “mais” para os outros, deve obter seu “mais” fazendo um “menos” para o seu vizinho.

Evidentemente, isso não é justo, mas é racional, e, se é racional um pode prever.

Com uma pessoa estúpida tudo isso é absolutamente impossível. Tenho uma criatura parva sem motivo, sem um plano preciso, nos tempos e lugares mais improváveis e mais impensáveis. Não existe forma racional para prever se, quando, como e porquê, uma criatura estúpida realiza o ataque. Confrontado com umha pessoa estúpida, um está completamente desarmado.

Umha vez que as ações de uma pessoa estúpida, não cumprem as regras da racionalidade, segue-se que o ataque geralmente leva-nos de surpresa, mesmo quando se tem conhecimento do ataque não é possível organizar uma defesa racional, porque o ataque, em si, carece de qualquer estrutura racional.

O facto da actividade e os movimentos de uma criatura estúpida são absolutamente irregulares e irracionais. Não só torna problemática a defesa, mas é extremamente difícil qualquer contra-ataque. Temos também de ter em conta outras circunstâncias. A pessoa inteligente sabe que é inteligente. O mal está consciente do mal. Os incautos estão imbuídos com o doloroso sentimento de sua própria ingenuidade. Contrariamente a todas estas personagens, o estúpido não sabe que é estúpido. Isto contribui grandemente para dar maior força, impacto e eficácia à sua acção devastadora.

Com um sorriso nos lábios, como se for a cousa mais natural do mundo, aparece subitamente o estúpido para estragar seus planos, para destruir a sua paz, complicarte vida e de trabalho, você perderá dinheiro, tempo, humor, apetite , a produtividade, e tudo isto sem maldade, sem remorso e sem razão. Estupidamente.

Não deveriam ficar surpreendidos pelo facto de que as pessoas incautas geralmente não reconhecem o perigo das pessoas estúpidas. O facto é apenas uma manifestação da sua falta de previsão. Mas o que é verdadeiramente surpreendente é que, nem malvados, nem pessoas inteligentes conseguem r reconhecer o poder destrutivo e devastador da estupidez.

Geralmente, tendemos a acreditar que umha pessoa estúpida está prejudicando apenas a si mesma, mas isso significa que é confundida estupidez com franqueza.

SOCIEDADE e estupidez

Seria um grave erro de acreditar que o número de estupidez é maior em umha sociedade em declínio, do que em umha sociedade a medrar. Ambos são afligidos pelo mesmo percentual de estúpido. A diferença entre as duas empresas reside no facto de que na sociedade em declínio os membros estúpidos da sociedade se tornarem mais ativos pela acção permisiva dos outros membros.

Um país em ascenso, tem também uma subida excepcionalmente elevada da proporção de pessoas inteligentes que procuram controlar a fracção de estúpidos e, ao mesmo tempo produzem para si próprios e para os outros membros da comunidade, ganhos suficientes para que o progresso seja um facto.

Em um país em declínio, a percentagem de pessoas estúpidas continua a ser a mesma , mas no resto da população é observada, principalmente entre os indivíduos que estão no poder, um alarmante proliferação dos malvados com uma elevada percentagem de estupidez, e entre aqueles que não estão no poder, igualmente um crescimento alarmante dos incautos.

Gostei muito das refleixões de Carlo Cipolla. Espero que vós também as encontredes interessantes.

Bom dia a todos e todas.
allegro

estupido