Category Archives: Marrocos

Imos lá

Padrão

fes_tannery.jpg

Após der seis anos em Marrocos, são muitas as imagens, as sensações, os aromas e colores que traz a lembrança.

Hoje vou-vos levar comigo de viagem, desde Marrakech ao deserto de dunas -erg- e também de pedras negras que cobrem a fina areia -hammada-. São as duas castes de deserto que podemos ver em Marrocos.

Não sei se as minhas imagens o podem transmitir, mas Marrocos é um pais que te eleva o espírito, faz-te sentir jeito tão especial que é muito difícil de explicar: É a sensação de ficar só, na soedade total, e ao mesmo tempo arroupado polo agarimo e esse jeito que tem a gente de se fazer querer e de fazer que te sintas querido.

A primeira vez, asusta. Mas , se não te botas atrás, engancha.

Engancha como umha droga psicotrópica.

Por eso tardei tanto em pôr as imagens da minha última viagem.

Porque tinha um mono que não podia aguantar.

Bem. Vou-vos pôr as imagens em duas tandas:

Na primeira, veredes as medinas de Fés e Marrakech,com suas ruas estreitas ateigadas de gente, burros, bicicletas e toda caste de mercadorias, e até umha escola de meninhos, na medina de Fés. Nos montes de cedros do Meio-Atlas, os macaquinhos que vem espilidos quando tem fame e há movemento perto. As ruinas romanas de Volubilis merecem, elas soas, umha viagem…
E a Praça de Yemaa El Fna, o umbigo do mundo da fantasia que ainda sobrevive…

As próximas imagens, são do caminho desde Marrakech até o erg-deserto de dunas de Merzouga.
Todo o caminho transcorre por um deserto de areia cuberta por pedras negras-hammada-, por montanhas e vales de rios que formam oasis viçosos no meio da nada.
Também passa ao pé das montanhas do Atlas, com os curutos cubertos de neve, como um decorado de fondo ao deserto e aos vales de palmeiras e cultivos.
O povoado de Aid Ben Haddou, um Ksar, ou cidade fortificada, que agora fica quase abandonada, só com os velhinhos que se resistem a deixar suas casa para irem às novas que se construem à outra banda do rio seco, na beira da estrada.
Logo o deserto, levantar-se de madrugada para ver o espectáculo do amencer sobe as dunas, a tarde de treboada, pola banda algeriana, que fica a uns quilómetros de areia, o sol-pôr, a lua que sae…Não hà palàvras.
A aldeia Gnawa de Khamilia, no centro da nada…Os gnawas que conservam suas tradições curativas a travês da música:
Soudani, soudani…lembrando o tempo em que vieram de Sudam para trabalharem de escravos nas minas de ferro…

Anúncios