Tag Archives: Africa

Imos lá

Padrão

fes_tannery.jpg

Após der seis anos em Marrocos, são muitas as imagens, as sensações, os aromas e colores que traz a lembrança.

Hoje vou-vos levar comigo de viagem, desde Marrakech ao deserto de dunas -erg- e também de pedras negras que cobrem a fina areia -hammada-. São as duas castes de deserto que podemos ver em Marrocos.

Não sei se as minhas imagens o podem transmitir, mas Marrocos é um pais que te eleva o espírito, faz-te sentir jeito tão especial que é muito difícil de explicar: É a sensação de ficar só, na soedade total, e ao mesmo tempo arroupado polo agarimo e esse jeito que tem a gente de se fazer querer e de fazer que te sintas querido.

A primeira vez, asusta. Mas , se não te botas atrás, engancha.

Engancha como umha droga psicotrópica.

Por eso tardei tanto em pôr as imagens da minha última viagem.

Porque tinha um mono que não podia aguantar.

Bem. Vou-vos pôr as imagens em duas tandas:

Na primeira, veredes as medinas de Fés e Marrakech,com suas ruas estreitas ateigadas de gente, burros, bicicletas e toda caste de mercadorias, e até umha escola de meninhos, na medina de Fés. Nos montes de cedros do Meio-Atlas, os macaquinhos que vem espilidos quando tem fame e há movemento perto. As ruinas romanas de Volubilis merecem, elas soas, umha viagem…
E a Praça de Yemaa El Fna, o umbigo do mundo da fantasia que ainda sobrevive…

As próximas imagens, são do caminho desde Marrakech até o erg-deserto de dunas de Merzouga.
Todo o caminho transcorre por um deserto de areia cuberta por pedras negras-hammada-, por montanhas e vales de rios que formam oasis viçosos no meio da nada.
Também passa ao pé das montanhas do Atlas, com os curutos cubertos de neve, como um decorado de fondo ao deserto e aos vales de palmeiras e cultivos.
O povoado de Aid Ben Haddou, um Ksar, ou cidade fortificada, que agora fica quase abandonada, só com os velhinhos que se resistem a deixar suas casa para irem às novas que se construem à outra banda do rio seco, na beira da estrada.
Logo o deserto, levantar-se de madrugada para ver o espectáculo do amencer sobe as dunas, a tarde de treboada, pola banda algeriana, que fica a uns quilómetros de areia, o sol-pôr, a lua que sae…Não hà palàvras.
A aldeia Gnawa de Khamilia, no centro da nada…Os gnawas que conservam suas tradições curativas a travês da música:
Soudani, soudani…lembrando o tempo em que vieram de Sudam para trabalharem de escravos nas minas de ferro…

Anúncios

Estampas

Padrão

Pois aí vão mais estampas das pequenas cousads do Rif.

Estampas dumha terra especial, diferente, que não é mais que umha face da terra na que tudos vivimos. Umha face pola que sinto umha especial tenrura:

9.gif

Umha Rifenha verdadeira

Padrão

Ainda que eu me considere rifenha de coração, agora já não sou a Rifenha de Vimianço. Agora em Vimianço, há duas rifenhas verdadeiras, umha da tribo Bakoia por seu pai e Takrait por parte de mãe.

Assim que, já vedes. Pedigree rifenho polas quatro esquinas.

Bom, pois esta rifenhinha de primeiro da ESO, gosta muito de fedelhar na rede e é muito amiga, assim que, quando ela goste, pode escrever entradas no escunchador, para que saibades mais cousas da sua vida aquí, em Vimianço, e também do Rif .

Este é seu primeiro post, e eu deixo-a sozinha, para que ela escreba o que queira e como queira.

Al Hoseima

Al Hoseima (en árabe الحسيمة, ‘Al-Hoseima’ que significa ‘lavanda’ e en español Alhucemas) é unha cidade e provincia de Marrocos.

Está situada na costa marroquina mediterránea, na parte oriental da baía e xunto ao penedo de Alhucemas.

  • Historia

A actual A Hoseima tivo a súa orixe nun asentamento insignificante no século XVII, pero non é unha verdadeira cidade ata despois do desembarco de Al Hoseima levado a cabo polas tropas españolas durante a guerra do Rif (1926). Con todo, daquela chamóuselle Villa Sanjurjo, polo xeneral Sanjurjo, un dos protagonistas dese desembarco.

Durante a II República pasou a denominarse Villa Alhucemas, aínda que logo o réxime franquista restituíu novamente o nome de Villa Sanjurjo, que xa se mantivo durante o resto do protectorado español, ata o ano 1956 en que Marrocos accedeu á independencia. A partir desa data pasou a chamarse Al-Hoseima, en árabe, segundo a denominación marroquí.

Como legado da cultura española, quedan na vila numerosos edificios construídos durante a época do xeneral Sanjurjo. Así, atópase nesta cidade o Colexio Español Melchor de Jovellanos, dirixido polo Estado español. Este conta cunha arquitectura similar a edificios do sur de España e foi en orixe un cuartel militar.

Na actualidade é unha cidade de vacacións de verán, frecuentada polo turismo, na súa maioría do norte de Europa, debido ás súas fermosas praias, en especial Praia Quemado, e á beleza da súa contorna, entre a cordilleira do Rif e as augas do Mediterráneo. Conta con instalacións turísticas destacadas, como o Club Med, o complexo Chafarinas ou o hotel Mohamed V.

Con todo, a cidade atópase afastada do nivel de desenvolvemento do resto do Marrocos turístico, cunha importante falta de infraestruturas e de promoción. Á marxe das estradas que chegan á cidade, no verán establécese un servizo marítimo que comunica a cidade con Málaga, nun treito de aproximadamente unhas 11 horas.

Al Hoseima e os seus arredores sufriron un importante sismo de 6,5 graos na escala Ritcher o 24 de Febreiro de 2004, que causou graves danos materiais e provocou a morte de cando menos 560 persoas.

  • Poboación:

Malia que se estima en 60.000 habitantes a súa poboación, non se pode saber con exactitude, pois existe un alto índice de poboación que vive no campo. A división de poboación na rexión de Al Hoseima é a seguinte: Al Hoseima 55.216, Imzurem 9.642, Bni Buaiach 13.128, Targuist 9.593, mais unha poboación rural que debe roldar os 297.000 habitantes (2005).

47.gif

Tardes de Ramadam

Padrão

Cada dia, as rifenhas vem consultar a hora da pregária de Al Magrib, que é a pregária que marca o fim do jejum.

Cada dia a hora é diferente, e varia duns lugares a outros. Consultamos na página dos muçulmanos espanhois, Webislam, e cada dia varia um ou dous minutos, mais ou menos. O relógio da lua, que goberna a vida no islão, não é o mesmo que fabricam nas relojarias suiças. Tem outros ritmos que variam dia a dia, mes a mes, ano a ano.

Aí polas cinco da tarde, Hayat empeça jà com a “Harira”, a sopa que, junto com as chebbakiyas, serve para romper o jejum, alomenos no Rif, que em cada lugar o alimento primeiro pode ser outro. Noutras partes de Marrocos, antes da harira comem dátiles e bebem leite batido, coma aquele que se fazia antiguamente nas casas de labradores da Galiza, batendo cum pau que levava numha ponta umha rodela de madeira, o leite que havia dentro dumha ola de barro.

Logo mantinha-se assim, fresquinho, para beber nas tardes de verão quando vinhamos cansos e acalorados de apanhar o trigo, ou as patacas.

Tudo esso, para nós, jà não existe. Agora mercamos na tenda o iogur e todas essas variantes que tem tantas cousas boas para a saúde ???, mas, em Marrocos, ainda se bebe, para dar as bemvindas a umha casa, ou para se refrescar no verão. Nas portas dos Mercados, hà sempre algumha mulher ou algúm homem vendendo cuncas de “leben”, qu é como lhe dim a esta bebida , que se consumem alí mesmo. Mesmo na porta das mesquitas e, desde logo, em todas as leiteriaso hà para beber ou para levar.
Bom, pois aquí não hà leben, mas a harira de Hayat, não falta cada tarde. Após de romper o jejum traz umha potinha para o Suso e para mim.

È umha sopa rica em ingredientes, e muito reconfortante:

Leva ólio, carne, gravanços, ápio,tomate, salsa, cominhos, pementa preta, fideus finos, cebolas , e, a última hora, engadese-lhe um óvo e farinha previamente diluida em água. É dumha elaboração lenta e artesanal.

Tem um sabor muito especial e quenta bem o corpo.

Hoje , segundo o webislam, a hora de Al Magrib, é às 8 e 20 da tarde , hora de Madrid.

Até essa hora, elas não comem nada , nem bebem nada. Pola nuite, depois da harira, comem várias veces tortilha, peixe, chà com pastelinhos, biscoito, e até de madrugada se levantam para tomar café com leite e bolachas, para poder resistir todo o dia.

Muita gente diz: Que parvada!

Mas eu penso que é bom manter as tradições, as crenzas, a memória, sempe que, como neste caso, seja por própria vontade . Umha ilha de Ramadam em Vimianço. Quem o ia dizer…?

 

islam_02.gif

A terra treme.

Padrão


Pois sim. A terra treme também, como trememos nós.

A terra treme quando se encontram duas placas tectónicas diferentes e se roçam, mais ou menos dócemente.

É o reflexo, a grande escala, do que passou quando ti mais eu nos encontramos e tudo tremiu, com intensidade 9 na escala de Ritcher, derrubando muros, edifícios, cidades enteiras, dentro de mim, e deixando tantos mortos entre os escombros…

Hoje tremiu a terra no Cabo São Vicente. Eu senti dançar o meu imac e pensei que era com a força das canções de Ché Sudaka, que tava a escuitar mentras escrevia sobre eles em historiasderavaleiros.
Mas agora vem o Suso- a realidade cotiã- para me dizer que seica diz o teletexto que fui o tremor do Cabo São Vicente.

A onda chegou desde o Al Gharb ao Al Magreb, percorrendo caminhos subterraneos.

Eu, que viví miles de sacudiduras que vam desde o 6.3 até o 3.9 de hà dias nesta cidade, chantada acima da confluência da linha que une-ou divide- as placas europeia e africana, -ti Europa. Àfrica, eu.-nunca tive medo dos tremores, mália ver os mortos, amoreados na fábrica de geo do porto, por não ter sitio na morgue do hospital, ou os velhinhos sós, sem casa nem família, no centro de acolhida de meninhos orfos , habilitado para os acolher.

Vi e viví suas caras, inexpressivas, seus corpos encolhidos ,nas camas apertadas na sala que ficava pequena para tanta gente.
Sua olhada tranquila e seu sorriso de agradecemento, apenas insinuado, quando colhiam as cousas que Hayat e mais eu lhe recolheramos para eles.
Mesmo sua indiferéncia frente ao que não precisavam para si.
“Eu não preciso. Da-lha a aquele, que não tem.”

Quantas leições de vida aprendi dos meus vizinhos rifenhos do campo, durante o terremoto…

Dos vizinhos da cidade, também aprendi como se pelejavam pola ajuda dos camiões, como aguantavam cada nuite nas “jaimas”, durante messes, e algumhas cousas bem divertidas também.

Coma quando meu vizinho de enfrente, Mustafa -daquela ainda viviamos na rua das Nações Unidas -Umma Mutahidda- corria diante das vizinhas do lado, três moças e a mãe, que compartiam com ele e a família -mulher e três meninhos, um deles de dous messes- o ilhó que hà no cruzamento entre a rua que vai ao “Souk de los Pinos” e a que sobe cara o bairro Marmuxa, o mais alto da cidade. Pois alí, no ilhó, plantarom Mustafa e as vizinhas suas “jaimas”, em boa vizinhanza.

Mas, o demo, que não tem parada, quixo que umha nuite Mustafa saisse da tenda para mejar e, ao volver, às escuras, entrou na das vizinhas, deitou-se e agarrou-se a umha das moças pensando que era sua mulher.

Para o outro dia, amahã, eu tava no meu balcão regando nas plantas, e vejo passar a Mustafa diante, engurrunhado, coas mãos na cabeça, e às quatro mulheres berrando atrás.

Chamei por Hayat, e ela faz-me de tradutora. E ainda bem que as mulheres não levavam nada na mão, porque, entre as três, iam-lhe dar umha malheira boa.

Assim é a vida.

Tem alegria, tristeça, dor,felicidade…mesturadas em proporções que variam.

O que nunca deberia faltar é, ao meu ver, o humor.

Ele faz que tudo seja relativiçado e mais levadeiro.

Ponha umhas pingas de humor na sua vida…

De consumo, consumidores , consumidos e “dias de”

Padrão

Há poucos dias celebramos o dia dos cinco minutos de apagamento das luzes.

Há muitos anos. Polo menos, mais de quince, ía eu um dia caminhando pola Rúa da Senra, em Compostela, e achegou-se um moço cum microfone na mão, e pediu-me se lhe respondia a umha pergunta. Disse que era da Rádio Galega.
Bom.

Que opina você, como consumidora, de que El Corte Inglés abra os domingos e dias de férias?

Semelhava umha pergunta inocente , mas não o era.

Não polo entrevistador, que fazia um trabalho de rutina, coma cada dia, para ganhar seu salário.

Mas pola visão da vida que implicava a pergunta.

Perdoa, mas, antes de consumidora, sou ser humano, mulher, trabalhadora, mãe……

Consumo o que preciso para me sustentar e ter umha vida digna, mas esso não me converte em “consumidora”. Que eu saiba, consumidora não é umha clase social, nem umha condição, nem umha prerrogativa innata, nem adquirida. E, com o dinheiro que ganho, abonda-me ir a El Corte Inglés umha vez ao ano. Os dias da semana, sobram-me tudos.

Como ser humano, opino que as pessoas tem de ter tempo livre para serem felices. Como mulher, opino exactamente o mesmo. Como trabalhadora, solidarízome com os trabalhadores que tem dereito a ter seus dias de férias coma caisquer operário.Para esso as folgas, revoluções e sofrimentos das claes operárias de todo o mundo ao longo da história. Como mãe, solidarízome com as empregadas e empregados que tem filhos e precisam tempo para os atender e os disfrutar.

Nos anos que foram passando desde aquele dia, cada vez , as pessoas do chamado “primeiro mundo” somos menos cidadãos e mais consumidores.

Mas , para que haja comsumidores , tem de haver consumidos .

Consumidos em África, onde as petrolairas francesas Elf, Total e demais estrucham aos paises e as pessoas para que nós podamos correr em nossos carros até para ir mejar e elas possam medrar mais e mais, numha carreira sem fim.

Consumidos no Congo-sempre àfrica- para que velhos, meninhos e demais gente escraviçada, deixe a vida extraendo o coltán que precisamos para os nossos telemóveis , que mudamos cada mes, por aquilo das novas prestações , ou pra as nossas play-stations. Aquí são as grandes companhias de alta tecnologia as que engordam seus dividendos.

Consumidos na Guiné, onde tem umha ilha Malabo, que aboia acima dumha bolsa de petroleo e morre de fome e de enfermidades porque todas as farmácias do pais pertencem a um familiar do presidente e, quanto menos higiene, mais negócio para a família. Tudo, esso sim, com o consentimento do nosso “primeiro mundo”.

Ta muito bem fazer “dias de”. Parece-me bem para chamar a atenção.

Mas, mentras não mudemos a mentalidade de consumidores pola de cidadãos, as cousas irão de mal em pior.

Desculpas por vos botar este discurso.

Mas é que me ferve o sangue pola gente deste continente onde agora vivo, ainda que seja aquí no norte, mais perto dos consumidores que dos consumidos.

 

Recuperando de Arredemo. O reino Mandinga

Padrão

“Sundiata Keita (ou Sundjata Keita, ou ainda Soundiata Keita) era o Imperador do Mali, nascido em 1190 em Niani (Reino Mandinga, atual Guiné) e faleceu em 1255. Filho de Naré Maghann Konaté (também conhecido Maghan Kon Fatta ou Maghan Keita) e Sogolon Djata (a mulher búfalo).

O épico de Sundjata é contado pelos griots, através da tradição oral.”

Este pequeno texto é o que se pode ler na wikipédia sobre o reino mandinga .

Também:

“Los Mandinga, Mandinka Mande Jula dependiendo del país en el que viven son un grupo étnico de África Occidental. Mandinga es también el nombre de su lengua. En el siglo XIII eran gobernados por Sundiata. Durante el mismo siglo se extendieron por un gran área en el actual Mali constituyendo un importante reino.

En la actualidad existen cerca de tres millones de mandingas residiendo en diferentes países del Oeste de África: Burkina Faso, Costa de Marfil, Gambia, Guinea-Bissau, Liberia, Mali, Senegal, y Sierra Leona.

Durante el periodo de la colonización de América muchos de ellos fueron enviados al nuevo continente como esclavos. En la tradición campesina y gauchesca rioplatense, al diablo se le denomina “Mandinga”, y se representa de color y vestiduras totalmente negros. Vulgarmente se le dice mandinga a quien posee el miembro grande.

En Estados Unidos y Europa uno de los mandingas más conocidos es posiblemente el personaje Kunta Kinte de la serie de TV y novela Raíces, escrita por Alex Haley, descendiente del propio Kunta Kinte. Martin R. Delany, un abolicionista radical del siglo XIX también era de descendencia mandinga”.

Velai como a “cultura” europeia criou fronteiras e escraviçou seres humanos mesmo negando-lhe a condição de humanidade.

Se vocês escutam a kora mandinga de toumani Diabate, ou a voz prodigiosa do príncipe Salif Keita, descendente directo do imperador Soundiata Keita, que no século XIII aboliu a escravitude no seu império, perceberam um bocadinho melhor a parvoíce da vaidade do etno-centrismo baseado na maior poténcia económica e capacidade tecnológica . Se escutam as palavras de Ali Farka, e suas composições musicais, mágicas, perceberam que a “cultura” não reside exclusivamente nas tertúlias e cenáculos do nosso pequeno mundo.

Que fóra, também hà muita vida.