Tag Archives: Músicas

Imagens do Rexoubeo do mes passado

Padrão

Na Taberna O Petouco, de Vimianço:

Rexoubeo

Segundo a minha filha, esta montagem saiu-me algo punki, mas agora não a vou mudar.

Veredes. É que continuo sem sair da casa. Hoje volvi ao psiquiatra e disse que troque o Litio por outro medicamento, que seica o litio não me vem bem, por mor de que me faz eliminar muito potásio e não é bom. Mesmo explicou o meu anojo rebotado, ainda que não muito vissível, dos últimos tempos, pola falta de potásio que tem repercussões no hipotálamo.

Assim que, já sabedes. A música punki é por mor do Li que faz que tenha pouco K. com o conseguinte rebotamento.

Pero…Gosto de como queda esta música, que nem sequer conheço, com as imagens da gente do meu povo. Algo rebotado, últimamente polas subidas abusivas de impostos.

Força!!!!

Anúncios

Seguimos de cantareas

Padrão

Pois é. O asuntinho das uito cousas faz-me maginar e, qué melhor jeito de transmitir o que penso, que cantando.

Claro que não canto eu, porque ainda não me gravaram no youtube. Mas fazede como se eu mesma for porque, ademais, gosto muito de cantar e ainda me lembro do tempo em que a gente cantava trabalhando, na taberna, após dum bom jantar de festa, ou quando lhe acaia.

Claro que, tudo mudou.

Aqui vos deixo cum duo que interpreta umha canção de circunferência. Os motivos de ficar na linha periférica são outros, mas também contam com minha empatia-simpatia.

Aperta:

219.gif

Guns & Roses? Não. Nirvana

Padrão


Vede até onde chega o meu desinterese pola música ruidosa e em inglês.

Ainda bem que tenho filhos que me ilustram.

Se, entre os leitores hà algum devoto de Nirvana e não porque seja budista, que disculpe minha ignorância.

Certamente, de Nirvana não merquei nem umha soa camisola.

Só fum um dia encargar umha para o Susinho com a cara de Jim Morrison estampada, porque o ídolo dele era esse.

E vi um filme no que umha serpe saía de embaixo das areias do deserto mentars soava “The End” polo menos vinte veces, que não é nada comparado com as veces que vim “O Muro” de Pink Floid, que deberom de ser umhas duascentas.

Ainda que, em honor à verdade The Doors e Pink Floyd são muito bons. E “O Muro”é umha obra de arte.
Sem desprezar a ninguém .

Por certo. Jim Morrison tinha umha inteligéncia singular e era um grande poeta.
O nome de The Doors, vem dumha frase de William Blake:

“Se as portas da percepção ficar abertas, tudo ia aparecer ante o homem tal qual é, infinito».

Por eso ele gostava de as abrir com LSD, cocaina e peiote.

Endejamais com heroina, porque lhe tinha fóbia as agulhas.

Mas não vou seguir por aí, que o meu não são as músicas anglófonas.

Hoje em Vimianço chove e venta de vendaval .

Boa tarde a todo o mundo.


11392461.jpg

84-261-0267-0img5.jpg

De Calamaro A Kurt Cobain

Padrão

Bom. Pois passado 8meses de clonazepam sem muito resultado, o meu psiquiatra decidiu que o melhor para mim é o litio, que seica estabiliça o ánimo e vai evitar que treme de pánico ante a mínima interferéncia do mundo exterior.

Assim que, do “Clonazepam y circo” do Andrés vou passar ao “Lithium” de Kurt.

Certamente nunca gostei muito de guns&roses.

Lembro dumha viagem a Altafulla para ver a umha amiga catalana, numha desas tendas de múltiples e variados artículos de souvenirs para guiris das vilas turísticas da costa catalana. Entrei para lhe mercar um agasalho aos meus filhos e saim cum barquinho de madeira pequerrechinho metido numha garrafa de cristal-para mim- e umha camisola de Guns&Roses para o meu Nés que me parecía horrível, mas que a ele, lhe encantou.

Certamente, nunca gostei de Guns&Roses, como de case nemhúm grupo anglo-sajão, agravado o seu caso polos decibélios que me transpassam os miolos coma se fossem balas das suas guns, mas o meu Nés adoitava gostar das cousas das que eu não gostava e quando queria ficar só e eu andava perto, punha a música de Sepultura ou Brujeria a toda voz para me espiantar. Umha vez fui para Vimianço e deixou posto o espertador do aparelho de música, e, quando às sete da manhã começou a soar aquelo, com o volume que tinha, eu, por um intre, acreditei ficar às portas do outro mundo, na escaleira que baixa.

Menos mal que o Suso fui apagar o trebelho, porque eu não era quem de me achegar.

Mais linda fui aquela tarde com Margarida em Altafulla. Vimos a lua de color de rosa, subindo por detrás do monte e logo, ía subindo e tornando da color da prata pulida, mentras nós bebíamos umha sangría de cava na terraça dum bar.

Tempos felices, os que vivim em Catalunya.

Alí nunca tivem crises, em três anos. Sentia-me nova, livre, coma se a vida volvesse a começar e a estiver estreando por segunda vez.

Vem-me a memória tantas cousas…

Outro dia, se tenho lazer, contarei algumhas.

Agora que o penso…O litio não é também o componhente das baterias que mais duram?

100.gif

La lengua popular

Padrão

 

Este é o título do novo trabalho de Calamaro.

Na linha dos melhores tempos de Los Rodríguez, um Calamaro re-nascido mas cumhas letras mais maduras, menos tristes, mais de homem maduro e feliz.

Escuitando o disco deduzo que atopou um amor que lhe faz ver o mundo doutra maneira: “ya no tengo espinas clavadas en el corazón” diz numha canção.

“Soy tuyo”, o título de outra.

“Muchos amigos se fueron antes que yo y me dejaron sólo”
“Una parte de mi no cambió , pero ya no soy el viejo Andrés que no dormia jamás . Encontré la mitad del amor”.

Um precioso e interesante trabalho. Música e letras.

Deixo aquí uns videos para que xulguedes por vós mesmos.

1320_animado.gif

Clonazepam y circo

Padrão

Perdimos estabilidad
no sabemos de que lado
vamos a quedar parados
se agotó lo natural
mentimos una vez más
no cantamos la verdad
en nuestra vida real
siempre fuimos decadentes
tuvimos la libertad
apretada entre los dientes
alguien cantó no va más
con los párpados pegados
por un sueño postergado
nos cansamos de luchar
demasiada camiseta
y cada vez menos gambeta
la sonrisa cuesta más
de que país estoy hablando
las neuronas van marchando
mucho traje de fajina

pero todo es cocaína
y con el precio que tiene
éste lugar me conviene
gente fina, delincuente
algunos ya diputados
y brindo por nosotros
dos tarados que les pagamos
antes pelo, ahora gente
antes lucha ahora circo
antes pán, ahora clonazepán
pastillas la última esperanza negra
podés pedirle pastillas a tu suegra
no me digas la verdad, no me mientas
ya me dí cuenta que no es lo que era
de eso se dá cuenta cualquiera
antes o después de las rosas
ves a través de las cosas.

Andrés Calamaro.

144.jpg